sexta-feira, 17 de junho de 2016

Pastor festeja massacre na boate gay Pulse

O mundo é intolerante e a vida para alguns parece ser nada


Imagens da internet
Segundo o El país o pastor Roger Jiménez festejou em missa o massacre da boate Pulse. O líder religioso da Igreja Batista da Verdade, localizada na cidade californiana Sacramento, realizou o sermão religioso no mesmo dia do massacre e afirmou que queria que o governo juntasse os homossexuais, colocassem em frente a um pelotão e que os fuzilassem até voar seus miolos  (frase traduzida: que el gobierno (de Estados Unidos) los junte, los ponga frente a un pelotón de fusilamiento y les vuele los sesos" ).

Roger Jiménez é imigrante venezuelano. Para imprensa ele afirmou a intenção do seu discurso era dar uma "resposta bíblica" com o que ocorreu no último dia 12. 

O vídeo abaixo foi publicado pelo canal Univision Noticias do Youtube   (Link: https://www.youtube.com/watch?v=nlDUgUyDC6A) e é uma reportagem do caso.

video


No vídeo o repórter revela que o pastor acusa o Governo e a imprensa de tirar suas palavras de um contexto. Mas logo em seguida é publicado a missa realizada no último dia 12, onde o pastor declara:

Vocês se sentem tristes por terem matado 50 pedófilos hoje? Não, eu acho que é legal, beneficia a sociedade. Acredito que está noite Orlando, Florida, está mais segura. O trágico é que não há matado mais deles. Lamento que ele (o assassino) não há terminado o trabalho, porque essas pessoas são abusadores. 

O repórter ainda pergunta para o pastor se ele está celebrando a morte das vitimas. Jiménez declara que não está celebrando, mas que há uma diferença entre celebrar e está triste e ele não estava triste com o que ocorreu. 

Sobre a declaração "...Quero que o governo junte os homossexuais, coloquem em frente a um pelotão e que os fuzilem até voar seus miolos..." o repórter pergunta se isso não é violento. Jiménez declara que ele quer que o Governo siga as leis de Deus. 

O jornalista continua: 
Jornalista: Você está bem com isso? 
Jiménez : Eu estou bem com isso. 
Jornalista: Não parece a você que está sendo irresponsável com o que está falando?
Jiménez: Não, não me parece. Veja, não tenho mais tempo para você (diz diretamente ao jornalista)

Por fim, o repórter declara que a igreja estava fechada e que não sabem quantas pessoas são da congregação e se elas concordam com o que o líder acha.  

O MUNDO É INTOLERANTE 

Na madrugada da última quarta-feira (15), um casal de lésbicas foram agredidas verbalmente pelo médico Ricardo Dourado em um posto de combustivo na Praça Cívica. 
Em um vídeo realizado por uma delas é possível ver o médico falando " vocês, veado, gay, se pegar tem que matar. O mundo não é para isso, as aberrações, esquece isso. Vai atrás de um homem bom para vocês..."

Uma delas relata que as duas estavam com uma amiga quando Ricardo Dourado chegou em sua namorada e passou a mão em suas costas. Quando o médico descobriu que elas eram namoradas se irritou e começou com o discurso homofóbico.  

O Rota Goiana já publicou aqui o texto Perdoa, mãe, eles não sabem o que fazem. Sua última frase, "Perdoe-nos, mãe, por esse mundo cruel e injusto que trata, tão mal, dos seus filhos" é o que quero deixar na sua mente antes de lerem os comentários sobre ambos casos. 
Sobre o caso de Goiânia


Sobre Orlando 

                                                                                                                     Fernanda Peixoto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário